Quaresma é tempo de milho safrinha e quaresmeiras floridas

Coluna Evaristo

• A Quarta-feira de Cinzas é o primeiro dia da Quaresma no calendário cristão ocidental. Ela pode ocorrer desde o começo de fevereiro até a segunda semana de março, pois está associada à data móvel da Páscoa. A Quaresma é uma etapa de preparação para a Páscoa e tem o roxo como cor símbolo. As cinzas não são um arrependimento de festanças ou abusos carnavalescos.

• Nas Américas, o calendário católico estendeu o nome da Quaresma a uma porção de árvores: as quaresmeiras. Elas têm esse nome por florescerem nesse tempo da Quaresma, vestindo-se de variados tons de roxo e lilás, iluminando campos e cidades. São pelo menos 5 mil espécies de quaresmeiras, todas da família das melastomatáceas, endêmica das Américas. Não há quaresmeiras nas Quaresmas de outros continentes, seja África, Eurásia ou Oceania.

• O nome Quaresma vem da contração da palavra latina quadragésima, referente ao quadragésimo dia, que encerrava esse período. O número 40 tem simbolismo próprio na tradição bíblica e, resumidamente, evoca um grande período, um longo tempo. Ele rememora os “quarenta anos” de peregrinação dos hebreus no deserto após a saída do Egito.

• Nos primeiros séculos do Cristianismo, o jejum era observado apenas nos dias antecedentes à Páscoa. Depois, a duração do jejum foi ampliada. Durante o Concílio de Laodiceia (anos 348 a 381) foi prescrito o uso exclusivo do pão e de frutas secas durante a Quaresma (uma saudável dieta vegetariana). No século VII, a Quaresma ficou estabelecida pela Igreja Católica praticamente como é hoje. O cálculo definitivo da data de início do período quaresmal foi determinado pela Igreja Católica em 1091 e até hoje rege nossos calendários.

• A abstinência da carne no jejum quaresmal evocava uma humanidade vegetariana de antes do dilúvio, quando os humanos comiam somente frutas e grãos. No Brasil, ficar um dia sem comer carne é pouco significativo. Muita gente come carne várias vezes por semana.


• Confira os relatórios e as projeções sobre a produção brasileira e norte americana de milho (em inglês) no link https://www.reportlinker.com/market-report/Agricultural-Products/4753/Maize?msclkid=9c0c05c355b91bc73bfc65fb77bf2532

• No Brasil, o milho safrinha ainda é uma produção de risco, principalmente, quando é semeado fora do período recomendado pelo zoneamento agrícola. Novas variedades de ciclo curto, menos exigentes em água; a adaptação da cultura ao plantio direto; o controle das ervas daninhas e, sobretudo, o maquinário cada vez mais capaz de executar o plantio em curtíssimo prazo, reduzem as incertezas climáticas. Muitos produtores já se preocupam mais com oscilações dos preços de comercialização e do custo de produção do que com as flutuações da meteorologia.

• Veja as recomendações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sobre o milho safrinha 2020/2021 no link https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/noticias/mapa-publica-zoneamento-das-culturas-milho-1a-safra-e-sorgo-para-safra-2020-2021 .

Compartilhar

Deixe seu comentário