Brasil produz ceias fartas de fim de ano


- A competitividade da agropecuária brasileira, hoje, garante a abundância das ceias de Natal e de Ano Novo. O país produz as principais carnes postas à mesa: pernil, tender e lombo de suínos ou leitões inteiros; cabritos, cordeiros; peru, chester e outras aves. Uma fartura inacessível a boa parte da população brasileira nos anos 1960, devido ao alto preço dos alimentos.

- O Brasil ainda é um grande produtor de nozes e castanhas, complemento típico das ceias desta época. O crescimento em nossa produção acompanha a tendência positiva da oferta mundial, de 6% ao ano. O mercado mundial movimenta cerca de 35 bilhões de dólares por ano e o Brasil exporta cerca de 200 milhões de dólares por ano, segundo a Associação Brasileira de Nozes e Castanhas e Frutas Secas (ABNC, no Facebook @abnozesecastanhas). Ainda é pouco para o tamanho do mercado mundial e para o potencial nacional. Mas está em ascensão.

- O Brasil produz castanha de caju no Nordeste, castanha-do-Brasil ou castanha-do-Pará no Norte, noz pecã no Sul e macadâmia no Sudeste. Embora timidamente, começa a aparecer no mercado a produção de baru no Centro-Oeste.

- O agro brasileiro contribui igualmente para a decoração de Natal e Ano Novo, produzindo poinséttias em grande quantidade. Também conhecidas como flor-de-Natal, bico-de-papagaio ou rabo-de-arara, estas flores são da espécie Euphorbia pulcherrima, originária do México e Guatemala. O nome científico, em latim, evoca a beleza da falsa flor e pode ser traduzido como “a mais linda das Euphorbias”.

- A falsa flor da poinséttia, na verdade, é formada por folhas modificadas, vermelhas, que emolduram as pequenas flores amarelas do centro. Essas folhas só se tornam vermelhas nas condições de pouca luz solar do inverno do Hemisfério Norte. Por isso, para ter poinséttias no mercado brasileiro, em pleno verão de dias compridos, com muita luz solar, os produtores trabalham em estufas sob rigoroso controle de temperatura, umidade e, sobretudo, luminosidade.

- A produção de poinséttias para decoração de Natal concentra-se nos municípios de Holambra, Paranapanema, Mogi das Cruzes, Suzano, Arujá e Ribeirão Pires, em São Paulo. A produção de 2018 foi estimada em 2,5 milhões de vasos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Floricultura, Ibraflor.

Compartilhar

Deixe seu comentário