Novas ferrovias devem melhorar escoamento das safras

Coluna Evaristo

• Em qualquer país do mundo, as colheitas saem do campo de caminhão, mesmo para ir apenas da colheitadeira ao silo. Depois, a produção prossegue de trem ou navio até os centros de transformação, distribuição, consumo interno ou exportação.

• No outro sentido, os insumos da agropecuária – fertilizantes, corretivos, máquinas, defensivos e sementes – também são transportados para as áreas de produção em caminhões. Mesmo se viajam de navio até o Brasil ou até os grandes centros de transformação, processamento e distribuição, dali para o produtor quase não há alternativas além de caminhões e rodovias.

• Infelizmente, apesar do alto índice tecnológico adotado dentro das propriedades rurais, esses fatores “pós-porteira” – como percorrer rodovias subdimensionadas e sem asfaltamento – trazem ineficiência à cadeia, reduzem sua competitividade e a margem de lucro.

• Entenda o diferencial competitivo da logística agropecuária no link https://cargox.com.br/blog/logistica-no-agronegocio-entenda-como-pode-ser-um-diferencial-competitivo-para-o-setor. E veja quais os prejuízos da ineficiência logística no link https://rvtv.com.br/2018/10/29/logistica/.

• No caso das ferrovias, surpreendentemente, a iniciativa privada vem investindo em novos traçados. Em especial os de integração das áreas produtivas do Centro-Oeste aos portos de exportação. Isso, graças à lei 13.448/17, que permite o investimento cruzado, ou seja, em lugar de pagar uma concessão para o Governo Federal, o investidor pode destinar os recursos a outra obra.

• Conheça a Lei 13.448, aprovada no governo Michel Temer, em 2017, no link https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/467154486/lei-13448-17.

• A outorga da ferrovia Vitória a Minas Gerais e a renovação da concessão da Estrada de Ferro Carajás, por exemplo, viabilizaram investimentos da ordem de R$ 2,7 bilhões no Mato Grosso, na construção de parte da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste. Esse trecho, de 383 quilômetros de extensão, ligará Água Boa (MT) a Mara Rosa (GO).

• Saiba mais sobre a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste nos links https://www.ppi.gov.br/concessao-da-ef-354-ferrovia-de-integracao-centro-oeste e https://pt.wikipedia.org/wiki/Ferrovia_de_Integra%C3%A7%C3%A3o_do_Centro-Oeste.

• Segundo estudo realizado pela Embrapa Territorial, no total, a agropecuária brasileira coloca nas estradas, para trajetos de extensão muito variável, mais de 1,6 bilhão de toneladas de produtos.

• Confira os números no link https://revistagloborural.globo.com/Colunas/caminhos-da-safra/noticia/2018/03/globo-rural-agronegocio-movimenta-16-bilhao-de-toneladas-ao-ano-diz-embrapa.html.

• Para apoiar o setor produtivo e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) no planejamento estratégico do transporte de insumos e produtos agropecuários, a Embrapa Territorial construiu um Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária Brasileira.

Compartilhar

Deixe seu comentário